AVENTURAS

Uma emergência inesperada

O dia tinha chegado ao fim! A Dra. Madalena tinha estado cheia de trabalho no consultório… No entanto, ainda tinha muito para fazer… O relógio especial já por várias vezes dera sinal. Por isso, foi rapidamente à casa de banho e, quando saiu, trazia a sua varinha na mão.
— Assim, sim! Já me sinto a Fada dos Dentes!
Depois, afastou-se com todo o cuidado, para não ser vista por ninguém. Tinha de continuar a manter este segredo bem guardado.
Partia agora para uma missão muito importante. O Vasco estava à sua espera, já com o dente que lhe caíra debaixo da almofada.
Como ele morava perto da clínica, a Fada dos Dentes chegou num instante. Entrou no quarto e, quando se preparava para levantar a almofada, o telemóvel tocou: Trrrrim! Trrrrim! Era uma chamada do consultório… Ela atendeu e percebeu que tinha de voltar rapidamente a ser a Dra. Madalena para atender uma emergência.
— Felizmente, o Vasco não acordou! — suspirou ela, aliviada.
No entanto, teve de sair com tanta pressa que nunca mais se lembrou do dente. O mais importante agora era conseguir chegar a tempo e atender a criança que já não aguentava a dor de dentes.
Na manhã seguinte, a Dra. Madalena entrou no consultório e chamou o seu primeiro doente. Qual não foi o seu espanto, quando viu que era o Vasco.
— Bom dia, Vasco! Não me digas que tens por aí alguma cárie? Que cara é essa? — perguntou a Dra. Madalena.
Com um ar tristonho, ele respondeu:
— Esta noite, pus o meu dente debaixo da almofada e a Fada dos Dentes não apareceu… Não tive nenhum presente!
A Dra. Madalena não foi capaz de dizer nada, mas percebeu que aquele telefonema inesperado tinha acabado por fazer com que ela se esquecesse de colocar o presente na almofada do Vasco. Agora, tinha de encontrar uma solução.
De seguida, voltou-se para ele e disse:
— Não te preocupes! A Fada dos Dentes não se esqueceu de ti! Tenho a certeza!
Na verdade, no dia seguinte, logo de manhã, o Vasco levantou a sua almofada e ficou muito surpreendido… O seu dente já lá não estava, mas havia um presente e um bilhetinho que dizia:

«As coisas boas acabam sempre por chegar…»
O Vasco sorriu, lembrou-se do que, no dia anterior, lhe tinha dito a Dra. Madalena e exclamou:
— Afinal, a Fada dos Dentes não se esqueceu de mim!